Caça Talentos é uma designação muito na moda no futebol atual.

Aparece um jogador novo com sucesso e imediatamente a pessoa que o indicou passa a ser um caça talentos.

Muitos ficam famosos assim. Por informar, por intermediar uma informação.

A maioria daqueles que são apelidados de caça talentos pouco ou nada percebem de futebol. São caçadores de informações. Para mim, a maioria dos verdadeiros caça talentos são os treinadores. Sobretudo nas camadas jovens. São eles que os encaminham para as posições, que desenvolvem as suas potencialidades, que moldam os seus comportamentos em jogo.

​Conheci verdadeiros caça talentos integrados em estruturas de clubes ou com vínculos de freelancers. Ver jogos ao frio, à chuva ou ao vento, muitas vezes em campos sem bancadas, no meio de uma dezena de espectadores e descobrir o tal jogador especial não é para todos. É para os que percebem de futebol e que têm a chama da paixão futebolística.
Não é para todos.

Conheci também outros artistas que pagam informações a treinadores de jovens (normalmente com salários muito baixos) ou a diretores para lhes indicar os de maior potencial. Mais fácil e prático. Mas que não tem nada de caça talentos. A força e o poder do dinheiro ao serviço de uma oportunidade de negócio. E hoje, com o avanço da tecnologia, muitos “caça talentos” procuram nos programas de Scouting, uma autêntica ferramenta salvadora de muitos diretores desportivos caídos do céu.

Porém, caçar um talento não tem que ser obrigatoriamente ligado a um futebolista jovem.
José Mourinho, por exemplo, esta época foi muito criticado por ter ido contratar o Ibrahimovic com 35 anos.
Alguns iluminados do futebol inglês, e não só, aproveitaram esta ocasião para martelar o treinador português.
Para uns uma loucura financeira, para outros uma má opção desportiva, alguns outros questionando se este não era o sinal de declínio do Special One… Resultado, o Ibrahimovic já fez 41 jogos, marcou 26 golos, alguns deles decisivos, contribuindo para os dois títulos já alcançados pelo Manchester United esta época. Um dos melhores jogadores da Premier League. Mais uma vitória estrondosa de José Mourinho que caçou plenamente o talento deste jogador que a maioria pensava acabado para um campeonato com a exigência do inglês.

E o que fez Mourinho noutras alturas? Entre muitos exemplos, caçou e desenvolveu o talento de Derlei no Porto, do Drogba no Chelsea, do Milito no Inter e do Varane no Real Madrid. Extrair o talento de jogadores transformando-o em altíssimo rendimento, isto sim é de um autêntico caçador de talentos.

Luís Norton de Matos