English Version

Does this player have “talento” (talent) or “ta lento” (is slow)?

This pun regarding talent hunting is nothing but to show the witted side of the business. Amongst many clubs there are professionals specifically focused on identifying talent.

Nowadays there are other technological means to reach those players. However nothing substitutes the human eye, the special feeling of understanding the ball reception, the long and short pass success, the relationship with the ball, the speed of decision-making, the skills without the ball, the game vision, the personality and the competitive mentality. For some, this is quickly perceived, everything is there. But it isn’t easy. Because none of this is in the books or manuals. It’s an instinct. A gift.

Many talent hunters stick to statistics as the decisive factor of evaluation. There are “big words” like verticality, laterality, amongst many others. These are very attractive reports in presentation, impressing directors with little knowledge on real football, that defend more who presents them. I prefer to not know how to explain why I consider a player talented. Can I be wrong? Like anyone, of course. But I know the success rate of my opinion is satisfactory. And that what is important for me: my opinion. It is my pleasure to share it with you.

Stay tuned.

Luis Norton de Matos

 

Portuguese Version

Este jogador tem “talento”ou “tá lento”?

Esta é uma questão/brincadeira do mundo do futebol quando se fala em caçar talentos. Há muita gente a trabalhar para os clubes especificamente nesta área de identificar talentos.

Hoje há muitos meios tecnológicos para chegar aos bons jogadores. Mas nada substitui o olho humano, o feeling especial de se perceber a recepção de bola, o sucesso no passe curto e longo, a relação com a bola, a rapidez da tomada decisão, rapidez na condução de bola, no jogar sem bola, a visão de jogo, a personalidade, a mentalidade competitiva etc etc. Para alguns tudo isto é perceptível rapidamente. Está tudo lá. Mas não é fácil. Porque nada disto está em livros ou receitas. É instintivo, um dom.

Muitos caça talentos agarram-se às estatísticas como fator decisivo de avaliação. E há “palavrões” como verticalidade, lateralidade, e outros mais. São relatórios muito mais bonitos na apresentação, que impressionam dirigentes com poucos conhecimentos de futebol e que defendem mais quem os apresenta. Eu prefiro não saber explicar porque é que considero que um jogador é talentoso. Se me engano? Claro que sim , como toda a gente. Mas sei que a taxa de sucesso da minha opinião é comprovadamente muito satisfatória. E é isso que é importante para mim: a minha opinião. Que terei todo o gosto em partilhar com vocês.

Estamos em linha!
Luís Norton de Matos