India Chronicles

7 de Julho

Quando assinei o meu contrato e comecei os treinos em Março o mais importante e urgente foi sentir a equipa, os jogadores. A pouco e pouco fomos procurando soluções, vieram novos jogadores e foi-se instalando a confiança e a certeza que era possível fazer progressos. A digressão de 3 meses à Europa deu-nos maior experiência competitiva apesar de só jogarmos jogos amigáveis. E foi então que começamos a imaginar qual a sorte que nos reservaria o sorteio do dia 7 de Julho.

Alguma ansiedade para conhecer os rostos, a identidade dos países que seriam nossos opositores.
E finalmente fez -se luz. Ghana, uma das equipas mais forte de África, já vencedora desta competição, a Colômbia, uma equipa sul americana muito forte, talvez a melhor depois do Brasil.
E finalmente os Estados Unidos, selecção que só falhou uma edição de um Mundial.
Difícil? Sim. Sem duvida. Impossível? Não. Nada é impossível

As percentagens de sucesso são muito reduzidas mas a nossa obrigação lutar desesperadamente por essa pequena possibilidade e acreditar que é possível.

Mas como diz Mahatma Ghandi “Strenght does not come from the physical capacity.It comes from a indomitable will”

Let’s do it!

No sorteio deste Mundial reencontrei o craque argentino Esteban Cambiasso, que trouxe a bola oficial da competição e conheci pessoalmente a medalhada olímpica, a indiana Pusarla Venkata Sindhu, que trouxe a esperança e a confiança para a nossa selecção.

Logo que terminou o sorteio, com 3 equipas fortíssimas o no nosso grupo, foi positivo sentir a confiança e optimismo dos 3 jogadores presentes- Jackson, Sanjeev e Dereej – nada impressionados pelos nomes dos adversários.
Na conferência de imprensa comigo e com o presidente da Federação Indiana (AIFF) o jogador Sanjeev foi o porta voz desse estado de espirito positivo.

July 6th
Next Post